Virtudes e custos do Benchmarking



Num cenário empresarial hiper concorrencial como o de hoje, é vital para a sobrevivência das empresas que o crescimento seja uma constante. Uma empresa que pare de crescer tem os dias contados.

Para isso há que comparar os resultados entre a própria empresa e a concorrência. Saber se a empresa se encontra acima ou abaixo da média do sector permite definir o nível de performance actual, e compreender as práticas implementadas. Esta é uma das virtudes do Benchmarking.

Mas há outras.

Quando utilizados nos diversos sectores da organização o Benchmarking constitui uma excelente solução para disseminar as melhores práticas e avaliar o desempenho.

Utilizado externamente permite, para além da comparação com os concorrentes, identificar oportunidades de negócio e adequar as estratégias em tempo útil.
O maior atributo do Benchmarking é porventura proporcionar à gestão maior capacidade de resposta e de adaptação às mudanças exógenas, visto que com o fenómeno da globalização o tempo assumiu uma importância acrescida.

 

Virtudes do Benchmarking

Duma forma sintética podem enumerar-se algumas virtudes do Benchmarking:

  1. Oportunidade para introduzir novos métodos de avaliação do desempenho;
  2. Identificação de actividades ou funções que podem ser objecto de melhoramentos;
  3. Possibilidade de melhorar ferramentas de auto avaliação;
  4. Criação de objectivos mais adequados e exequíveis;
  5. Melhor conhecimento do ambiente externo à empresa;
  6. Aprendizagem com os líderes;
  7. Outra virtude que se pode identificar é a alteração do modo da empresa pensar acerca da necessidade de melhoria apontando os níveis de performance alcançados pelo alvo do estudo. Para isto é necessário que as empresas que procuram o Benchmarking como uma solução de melhoria adoptem uma atitude de “Empresa Que Deseja Aprender Com os Outros”. Nesta perspectiva o conceito diz respeito a uma escola onde se aprende a aprender.

Custos do Benchmarking

Em matéria de custos pode afirmar-se que o Benchmarking é um processo moderadamente caro, mas muitas organizações consideram que este se paga a si próprio. 

Os três principais tipos de custos são os seguintes:

 

  1. Custos de visitas. Isto inclui quartos de hotel, custos de viagens, refeições e tempo de trabalho perdido.
  2. Custos de tempo. Os membros da equipa de Benchmarking investirão o seu tempo em pesquisa de problemas, em estudo de outras organizações, visitas e implementação do processo. Isto irá desviá-los das suas tarefas regulares, pelo que se poderá dar o caso de contratar substitutos durante o processo.
  3. Custos com bases de dados. Organizações que tenham institucionalizado o Benchmarking nos seus processos diários consideram útil criar e manter bases de dados das melhores práticas e respectivas empresas associadas.


Os custos do Benchmarking podem baixar substancialmente com a utilização da Internet, visto que se poderão fazer inúmeras recolhas de informações através deste meio, com custos reduzidos e num curto espaço de tempo.

Glossário