Cabos submarinos à prova de tubarões (Undersea cables protected from shark attacks)

Com o objetivo de aumentar a velocidade de acesso e transmissão de dados dos seus serviços, a Google tem investido na construção de cabos submarinos de fibra óptica que permitam que mais pessoas tenham acesso à Internet, nomeadamente nas regiões da América Latina, Brasil e Estados Unidos.


O primeiro projeto teve início em 2008 numa rede que ligou os Estados Unidos ao Japão e atualmente já existem cabos em várias regiões como Fortaleza no Brasil e Boca Ratón na Flórida. A Google tem tido parceiras com empresas de telecomunicações como a Algar Telecom do Brasil, a Antel do Uruguai e a Cabos Angola.


Antes de serem implementados os cabos é feito um estudo detalhado sobre a rota e as condições do fundo do mar. Estima-se que a rede tem uma duração de 25 anos, isto se não houver danos nos cabos submarinos. Um imprevisto com que a Google se deparou foi com a devoração dos cabos de rede pelos tubarões. Perante esta situação a Google revestiu os cabos com kevlar, que consiste num material leve e muito resistente utilizado em coletes à prova de bala e nos uniformes do exército americano. Em 1987 as dentadas de tubarões destruíram quatro segmentos do cabo que atravessava o Oceano Atlântico, tendo um custo de reparação de mais de 168.000€ por cada dentada. Os tubarões tendem a morder os cabos, pois não conseguem distinguir a contração muscular do alimento, dos cabos de fibra óptica.


Cabos submarinos à prova de tubarões

Fonte: Google

Sobre o autor:
  • Marketing Consultant na Fullsix Portugal
  • Pós-graduação em Marketing Digital (IPAM)
  • Licenciatura em Relações Públicas e Comunicação Empresarial (ESCS-IPL)
  • Licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais (FCSH-UNL)

Glossário